home A Doença de Parkinson A Associação A Túlipa Links
 
As Publicações APDPk
APDPk | Associados
Delegações
Espaço Aberto
Glossário de Termos
Legislação
Notícias
Noticias Médicas
Protocolos
Serviços de Saúde Especializados
Videos Parkinson
Viver com Parkinson
Declaração de Privacidade On-line
Direção Documentos
Conselho Científico
Infarmed
 
Newsletter
insira o seu email, para receber a nossa newsletter periódica.
 
 
 
 
 
 
 
Associa Pro
 
Utilizador
Palavra-chave
 

 

   
Home » Noticias Médicas » Arquivo
 
Ciência: portugueses desvendam gene defeituoso

(.../...)
Este estudo, que poderá contribuir para a compreensão de outras doenças, como as de Alzheimer e Parkinson, será publicado na edição de 15 de Março da revista norte-americana The Journal of Immunology.

No trabalho participaram investigadores de institutos ligados a universidades do Porto e de Lisboa.

A hemocromatose hereditária (HH) é uma desordem do metabolismo do ferro caracterizada pela deposição excessiva desse elemento nos tecidos, especialmente no fígado, e pode afectar duas a três pessoas em cada mil em Portugal, explicou à Lusa a professora Maria de Sousa, co-autora do estudo.

Quando não diagnosticada e tratada, a doença pode dar origem a cirrose hepática, diabetes, impotência, problemas cardíacos e cancro do fígado.

«Nesta doença existe uma mutação num gene específico designado HFE que leva à produção constante de uma proteína com uma conformação imperfeita», precisou esta cientista do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), do Porto.

«A proteína fica como que «amarrotada» e é responsável pelo desencadear do mau funcionamento de diversos mecanismos celulares em doentes com hemocromatose», acrescentou.

«O nosso organismo tem formas de eliminar essas proteínas defeituosas, mas ao fazê-lo interfere numa molécula do sistema imune, essencial para a defesa do organismo a agressões externas», diz outro dos autores do estudo, Sérgio de Almeida, investigador no mesmo instituto da Universidade do Porto.

O estudo encontrou o «elo perdido» entre a resposta das células ao aparecimento dessas «proteínas imperfeitas» e o funcionamento do sistema imune.

Segundo os investigadores, a descoberta poderá ajudar a compreender outras doenças cujo mecanismo também envolve uma resposta ao aparecimento de proteínas defeituosas associadas a mutações, nomeadamente doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson, diabetes de tipo II e alguns cancros.

A equipa incluiu investigadores do IBMC e do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), também do Porto, e ainda do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

In Portugal Diário - clique para ver

(Gentilmente enviado por Sara Ramos)

 
 
   
 
 
2012 © APDPk - Todos os direitos reservados