home A Doença de Parkinson A Associação A Túlipa Links
 
As Publicações APDPk
Ajude a APDPk - Faça-se Sócio
Delegações
Espaço Aberto
Glossário de Termos
Legislação
Notícias
Noticias Médicas
Protocolos
Serviços de Saúde Especializados
Videos Parkinson
Viver com Parkinson
Declaração de Privacidade On-line
Direção Documentos
Conselho Científico
Infarmed
 
Newsletter
insira o seu email, para receber a nossa newsletter periódica.
 
 
 
 
 
 
Associa Pro
 
Utilizador
Palavra-chave
 

 

   
Home » Notícias » Arquivo de noticias 2010
 
Campus Neurológico Sénior em Torres Vedras - Unidade única no país...
Futuro Centro Neurológico
  Unidade de saúde única no país
Torres Vedras vai ter um complexo integrado de saúde, com características únicas no país, cuja construção pode já ser observada na zona da encosta do Varatojo.
O futuro Campus Neurológico Sénior (CNS) terá uma vocação relacionada com doenças neurológicas degenerativas, nomeadamente as doenças de Parkinson e de Alzheimer, e uma unidade de reabilitação que será também dedicada a vítimas de acidentes vasculares cerebrais. Deverá estar concluído no primeiro semestre de 2012 e terá vários módulos funcionais.

Um deles é o CNS Clínica Médica, com consultas na área da neurologia. Depois há a parte do internamento, com capacidade para 80 camas: o CNS Unidade Residencial de curta ou longa duração e o CNS Residência Sénior, com apartamentos, para pessoas que ainda estão autónomas mas que sentem necessidade de estar perto de uma estrutura de apoio. Ou ficam algum tempo enquanto fazem a reabilitação ou a fisioterapia ou até para dar “férias” aos cuidadores, porque acontece às vezes às famílias precisarem de descansar dessa tarefa desgastante.

De acordo com os promotores do projecto, os torrienses João Miguel Ferreira e o neurologista Joaquim Ferreira, médico no Hospital de Santa Maria, professor universitário na Faculdade de Medicina de Lisboa e investigador nesta área, mais concretamente a doença de Parkinson, o investimento surge porque “a prevalência destas doenças vai aumentar pelo facto da população estar a envelhecer e porque há uma grande lacuna em termos de formação por parte de quem dá apoio a esses doentes”. A culpa dessa ausência de formação não é atribuída aos profissionais, o problema é que eles têm muita dificuldade em encontrar ofertas de formação.

Daí que esta nova unidade em Torres Vedras também esteja vocacionada para formar quem trabalha com idosos e doentes do foro neurológico. “Para além de prestarmos os cuidados de saúde, achamos que é importante assumirmos as nossas responsabilidades com um programa de formação continuado, usar a estrutura que estamos a criar para formar as pessoas, sejam médicos, enfermeiros, auxiliares de acção médica, cuidadores ou familiares”, explica o dr. Joaquim Ferreira. Considera ainda muito importante esta vertente da formação, na medida em que poderá ter um efeito multiplicador de contribuição para a qualificação dos profissionais de saúde que dão apoio nas mais variadas instituições. “Desde os médicos aos funcionários administrativos, há uma enorme necessidade de formação adicional neste tipo de doenças, que são aquelas que vão ter um grande peso do ponto de vista dos indivíduos que estão internados, porque nós vivemos mais tempo, o número desses doentes vai aumentar e esses profissionais têm de ser treinados”, referiu.

Outra valência importante da nova unidade é a investigação. Por um lado porque Joaquim Ferreira vai trazer parte das actividades de investigação que desenvolve noutras entidades. Por outro lado, estão previstas parcerias, como por exemplo com a Universidade Católica e o seu Instituto de Ciências da Saúde e a Escola de Enfermagem. Da mesma forma com os promotores de estudos em curso, como os laboratórios da indústria farmacêutica ou outras instituições, inclusivamente “nos estudos que eu estou a conduzir temos parcerias com universidades estrangeiras e portanto a ideia mesmo é que elas sejam estabelecidas”, explicou.

A unidade terá um custo que rondará os 10 milhões de euros, foi projectada e pensada ao pormenor para o fim a que se destina e vai criar entre 30 a 50 novos empregos fixos. Nesta fase, porém, os torrienses questionam-se sobre a obra que vêem nascer na encosta do Varatojo e especulam sobre o seu destino. “É importante as pessoas perceberem o que está ali a nascer, porque há uma curiosidade natural e porque o edifício está num local que é visível da cidade e não passa despercebido”, admitem Joaquim Ferreira e João Miguel Ferreira. Daí também a necessidade de haver uma explicação pública sobre o projecto em curso. “Não é uma clínica nem um hospital, porque não tem exames complementares, não tem cirurgias, nem tem urgência. Não é a repetição de uma coisa que não fazia sentido repetir. Primeiro não é a nossa área e depois seria um erro estratégico fazer coisas que outros já fazem bem”, esclarecem.

É algo que em Portugal não existe e que na Europa também não abunda. E porquê em Torres Vedras? Em primeiro lugar por motivos afectivos, já que os promotores são torrienses e faziam questão que fosse implantado na sua terra. Mas também pela proximidade de Lisboa e porque em Torres Vedras já existem boas estruturas de apoio no que diz respeito ao hospital e a clínicas.

Mas mesmo assim a instituição podia ter ido para outra localidade, nomeadamente Oeiras, mas “do ponto de vista local houve uma boa reacção à nossa proposta, sobretudo por parte do presidente da Câmara Municipal, que foi das pessoas que mais rapidamente percebeu que isto era uma coisa que valia a pena ser apoiada”.
Na realidade é uma estrutura que estará em Torres Vedras mas com âmbito nacional e muito provavelmente internacional, “porque com esta vocação e coordenado por médicos que têm credibilidade externa”.

Previstos estão ainda protocolos com subsistemas de saúde. Com o Serviço Nacional de Saúde também vão ser procurados. “A nossa intenção é essa, mas depois depende da vontade do Estado e também se está interessado em utilizar estas instalações para fazer formação dos seus profissionais”, concluíram.

In "Badaladas" - Jornal Semanal
Autor: Joaquim Ribeiro
Edição de 19 Setembro 2010
 
 
   
 
 
2012 © APDPk - Todos os direitos reservados